quinta-feira, 14 de junho de 2012

Short Selling

Short Selling: benéfico ou prejudicial?

Para perceber um pouco mais sobre este mecanismo bolsista entre aqui. (artigo + comentários)

Uma cuidada explicação sobre o assunto de Paulo Rosas, autor do nosso blog parceiro Omnia Economicus.


17 comentários:

  1. Caro Vivendi,

    Pelo que percebi, o Vivendi é um entusiasta da bolsa e eu sinceramente não entendo o mercado bolsista. Gostaria de o perceber mas não consigo. Gostaria argumentar a minha posição de ser contra a bolsa com argumentos sustentados mas não o vou fazer porque não os tenho. Vou no entanto defender a minha posição de não concordar com a existência da bolsa com os argumentos de uma pessoa leiga na matéria. Pois bem: como o Paulo Monteiro Rosa menciona na resposta que lhe deu à sua pergunta "É a favor do short selling?", "Quem tiver melhor informação será bem sucedido". Como???? Não percebi!!!! Continuemos: Mais uma vez o PMR afirma que os "principais "players" são os especuladores"!!!! Então os players não são as empresas que põem as suas acções à venda neste mercado!!!! Seguindo, PMR afirma que que "no curto prazo a bolsa é um jogo" e no "longo prazo um investimento"!!!! Mas o longo prazo não é uma sucessão de curtos prazos? Curto prazo + Curto prazo + ... = Longo prazo!!! querendo isto dizer que Jogo + Jogo = Investimento ???????? Há na minha opinião (leiga como referi no início) uma série de contradições no mercado bolsista que a mim me fazem muita confusão!!!Mais não me alongo pois corro o risco de meter os pés pelas mãos.

    ResponderEliminar
  2. Li o post do Paulo e gostei da dicotomia curto prazo vs longo prazo. Percebo as dúvidas do anónimo sobre o que é o curto e o que é o longo. Mas o longo É MESMO uma sucessão de curtos, por inverosímil que pareça. Os curtos tanto especulam para cima como para baixo. Não esquecer que em cada transação há um investidor do lado da compra e outro do lado da venda, como também há um especulador em cada um dos lados. Numas ocasiões é o da venda que realiza ganhos porque possuía uma informação ou um palpite que deu certo, noutras é o da compra. Mas é o somatório de todas estas transações que acabam por formar o preço real da ação e o valor REAL da empresa em termos de capital acionista. E porquê?

    Porque nos milhares de transações que ocorrem diariamente na bolsa, muitas delas têm do lado da compra ou do lado da venda uma fundamentação técnica, ou seja, são analisados os desempenhos da companhia, ou como se espera que venha a ser esse mesmo desempenho no futuro. Quem sabe ou acredita que a empresa irá aumentar vendas e lucros num futuro próximo, quer-se antecipar e compra já ações para vender quando essas mais valias se evidenciarem. Se a coisa der para o torto, terá que assumir perdas. E é o somatório de todas estas especulações, que se esperam ser proveitosas para quem lá mete o dinheiro que definem o preço.

    O short selling é uma maneira de obter ganhos em bolsa quando nos apercebemos que uma companhia está prestes a perder valor e não queremos "esperar" que ela chegue ao fundo para aí comprar as ações na esperança de ganhar dinheiro. Queremos ganhar JÁ com a sua descida. Não vejo problemas com este mecanismo, porque para o short selling é preciso haver um broker: uma casa de corretagem, que é quem assume o outro lado da transação. Quando se investe em short e afinal o preço da ação até sobe, ocorre um fenómeno de margin call, ou seja, o broker pede ao investidor que coloque mais dinheiro para continuar com a posição ou então terá que a liquidar. Nestes casos ocorre um short squeeze, que, por irónico que pareça, fará a ação subir ainda mais de preço.
    O short selling é uma espécie de amplificação (alavancagem) da realidade: se a ação desce, o short promove que ela desça ainda mais, se a ação sobe, o short promove que ela suba ainda mais, com prejuízos brutais para o investidor. Só investe em short quem julga possuir "informação acima da média", penso eu, porque o risco que se corre é grande. Como diz o Paulo, os ganhos são limitados (porque a ação não baixa de zero) e os prejuízos podem ser infinitos (a ação não tem limite de preço máximo).

    Para terminar: todos estes mecanismos fazem parte da bolsa, e preferiria que não se interferisse nisto, ou que houvesse manipulação política. Só o naked short selling me apresenta algumas reservas por usar dinheiro que de facto não existe, mas mais uma vez há o broker que se atravessa do outro lado da transação.

    Mas investir na bolsa é para profissionais e gente que julga saber "acima da média". Quem não está dentro do circo e investe para tentar ganhar umas massas tem que ter a perceção de que pode perder, e muito. A juntar a tudo isto temos a verdadeira manipulação: a do FED e do BCE, que ao emprestarem ilimitadamente aos bancos de investimento para estes investirem nas bolsas criam distorções e amplificações que de vez em quando resulta em rebentamento de bolhas, como foi em 2001 com as dot.com e de certa forma em 2008.

    Cuidado com o cão!

    ResponderEliminar
  3. Caro anónimo,

    Tomás de aquino, "o preço justo é o preço do mercado". Compreenda isto e perceberá toda a lógica associada ao mercado.

    Imagine que tem ideias para vender, e faz um leilão on-line todos os dias para ir vendendo as suas ideias,e que podem valer x ou Y, conforme aquilo que o mercado irá considerar como preço justo.

    Qualquer mercado é válido.

    O problema atual da bolsa e como o Tiago refere, diz respeito à manipulação creditícia, que favorece apenas os tubarões e na lógica deles eles não estão nem aí para a verdadeira realidade da empresa ou sequer preocupados com o investimento que milhares de pequenos investidores tomaram. E aí o meu desacordo com esta realidade.

    Outro fator curioso diz respeito à percentagem de queda e subida.
    Uma ação de valor de 1 € cai 20% e passa a valer 0,80 € e para retornar ao 1 € a subida já tem de ser 25%.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  4. Caro Anónimo

    Eu percebo um bocadinho de Short Selling e, digo um bocadinho, porque o meu rapaz mais velho me explicou!
    Ele tinha aliás um excelente Blog, mas tem tido tanto trabalho que o parou :-(

    ResponderEliminar
  5. Eu quanto a isso, não tenho muita opinião vivendi, o meu rapaz é que é Economista e trader e passa a vida nos pcs a vender e comprar!
    Quando foi o caso BPN, entrava em casa todos os dias a berrar, "falência é um caso de policia"
    Quanto ao escândalo do Sub-Prime já sabia e o Maddof também, segundo ele todos sabiam, foi pura ganancia.
    Quanto à bolsa, não gosta e então da portuguesa muito menos!!!
    Ele não investe em acções Vivendi.

    ResponderEliminar
  6. http://sublegelibertas.wordpress.com/

    ResponderEliminar
  7. Um blog muito lúcido Karocha.
    Conhecedor da realidade, não só a nacional como a internacional.
    E o mais curioso é que aquilo que o seu filho escreveu em 2009 continua atual.
    Gostei do estilo e uma pena que tenha parado de escrever...

    ResponderEliminar
  8. Muito trabalho,vivendi!
    E como tem espinha...
    Mas deves em quando arrasa no Psicolaranja :-))

    ResponderEliminar
  9. Vale bem a pena a leitura! Tem muitos artigos que estão bem atuais e fundamentados que podiam ter sido escritos na semana passada. Faça ele escrever 1 vez por mês que seja. Os bons pensamentos devem ser partilhados.

    ResponderEliminar
  10. Oiça Vivendi

    http://psicolaranja.blogs.sapo.pt/301245.html

    ResponderEliminar
  11. Vivendi

    Tenho a impressão que já tiraram o vídeo do ar, ainda estava á poucos meses :-(

    ResponderEliminar
  12. Pois é, não convinha Vivendi
    Mas eu tenho o CD, aliás ele ficou fulo,porque falou muito mais e cortaram e puseram um idiota de um advogado a falar de economia!
    Vou ver se consigo copiar, não sei é como enviar-lho :-(

    ResponderEliminar
  13. Consegue carregar no youtube? É a melhor forma.

    ResponderEliminar
  14. Vivendi

    Houve um problema e fiquei sem os comentários :-(
    Vou fazer isso, e deves ter-te fartado de rir com os comentários no Psico :-)

    ResponderEliminar